"Sem reflexão não há evolução."

Jairo Alves

@jairobigbrain

jairo2k@gmail.com

Matéria e Energia Escuras – Fato ou Ficção?

11/02/2014 21:15

Muitos cientistas acreditam que a maior parte do universo é composta de matéria e energia escuras. Entretanto, esta crença se baseia em medições que estão sendo postas em dúvida por estudos recentes. Este assunto será retomado mais a frente, pois antes é necessário lembrar porque os cientistas criaram as expressões “matéria e energia escuras”.

 

Os cientistas supõem que existem dois tipos de matéria, a bariônica e a não-bariônica. A matéria bariônica se compõe principalmente de prótons, nêutrons e elétrons, isto é, de átomos. A matéria não-bariônica não tem os átomos como base da sua composição. Em outras palavras, os cientistas supõem que exista uma matéria invisível que não se estrutura a partir átomos e a denominam “matéria não-bariônica”.

 

Os cientistas também supõem que a densidade de energia, isto é, a quantidade de energia que dá massa ao universo tem a seguinte composição: aproximadamente 23% de matérianão-bariônica; quase 73% de energia escura; cerca de 4% de matéria bariônica. A quantidade de matéria não-bariônica corresponderia a quase 85% da matéria no universo.

 

Os cientistas criaram a expressão “matéria escura” porque as medições indicavam que a velocidade dos giros e as densidades das galáxias eram desproporcionais. Eles supuseram que deveria haver algum tipo de matéria que não estava sendo detectada pelas suas observações. Em outras palavras, os cientistas acharam que deveria haver uma matéria invisível adensando as galáxias, pois a proporcionalidade entre a massa e a velocidade dos seus giros parecia incompatível.

 

A “energia escura” é o recurso que os cientististas inventaram para explicar como o universo pode atingir sua densidade crítica através das quantidades de matéria bariônica e não-bariônica que são insuficientes para isso.  A densidade crítica é uma medida onde a granulação do universo é tão rarefeita que interrompe a sua expansão. A criação da energia escura serviu também para explicar porque a força da gravidade não esmaga o universo, ou seja, porque o universo não colapsa. Em outras palavras, a energia escura foi imaginada para explicar como o universo consegue se equilibrar e expandir.

 

 

A pesquisa mais extensa e precisa já realizada até hoje indica que tudo que se supunha sobre a composição do universo pode estar errado. Esta indicação se apóia em erros inaceitáveis que podem ter sido produzidos pelos dados gerados nas observações que embasaram as suposições acima mencionadas. A medição do tamanho das ondulações da radiação de fundo residual parece não ter sido tão rigorosa como se pensava. Este tipo de medição é realizado para tentar descobrir se o universo tem algum evento e temperatura de fundo padrão.  A priori, a existência da matéria e energia escuras pode ser inviável, pois o tamanho das ondulações parece ser menor do que se pensava. Provavelmente, os cientistas somente se posicionarão a favor ou contra o modelo do universo mais aceito atualmente após novas medições.

 

Os cientistas estão tentando encontrar a matéria e a energia escuras através de medições porque crêem que elas se compõem de partículas invisíveis. Entretanto, Os fatos demonstram que isso é impossível, pois toda partícula possui um corpo e os corpos precisam de formas para se materializar. Em outras palavras, a matéria não pode ser invisível, pois não existe matéria sem corpo e corpo sem forma. Imaginar o contrário significa contrariar os fatos e as leis da natureza ao mesmo tempo. Portanto, com base nos fatos é possível afirmar sem medo de errar que: “matéria ou energia que sejam compostas de partículas invisíveis (intangíveis) são ficção”. Entretanto, nada impede que exista algo invisível, que não seja partícula, mas que possa equilibrar e expandir o universo. Contudo, estudar esse “algo” não seria competência de nenhuma das ciências atuais ou religiões.

 

Certamente deve haver explicações lógicas para questões tais como: Por que o universo não colapsa? Por que o universo está em expansão?  Por que o universo parece caótico? Entretanto, chegar até elas a partir de eventos ou situações pontuais é muito difícil, pois muitas das variáveis a serem analisadas acabam sendo ignoradas ou desprezadas. A maneira mais confiável e eficaz para explicar as questões acima e a muitas outras é partindo-se de uma visão sistêmica do universo. Isso parece impossível, mas já existe uma teoria que comprova o contrário. Para saber mais desta visão surpreendente do universo, clique aqui.