"Sem reflexão não há evolução."

Jairo Alves

@jairobigbrain

jairo2k@gmail.com

Cientistas, deístas e teístas: quem tem razão?

11/02/2014 21:07

O impasse entre os cientistas, deístas e teístas é muito antigo e quase impossível acabar, pois os cientistas acreditam no acaso, enquanto os demais na existência de um deus. Será que algum deles tem razão?

 Os cientistas são pessoas céticas que se baseiam apenas nos fatos, mas a sua visão é muito limitada, pois nenhuma das ciências atuais possibilita uma visão holística do universo e da natureza. Em outras palavras, nenhum cientista pode reivindicar a razão para si, pois eles só podem considerar parte dos fatos.

 Os teístas em sua maioria são pessoas de boa fé que podem ser facilmente iludidos porque põem a emoção acima da razão. Os defensores do teísmo usam estorinhas muito primitivas para tentarem se apropriar da razão, mas os seus argumentos são totalmente ilógicos. Em outras palavras, os teístas desrespeitam as leis da natureza.

 Os deístas são pessoas que preferem aceitar a existência de um ser superior ao acaso desde que este ser seja mais factível. Eles não acreditam que o seu deus se comunique através de escrituras nem que possa ouvir orações. Em outras palavras, para os deístas as religiões e os cultos são apenas contos do vigário para conquistar seguidores.

 Para descobrir com quem está a razão deveríamos considerar os seguintes fatos:

1.      Nada escapa as leis da natureza, pois absolutamente tudo no universo depende delas;
2.      As ciências dependem das leis da natureza, pois são elas que sustentam as relações causais;
3.      A finalidade de qualquer lei é impor uma intenção ou interesse;
4.      Tudo no universo é complementar e interdependente.

Com base nestes quatro fatos (premissas) é possível deduzir o seguinte:

A.      Nada acontece por acaso, pois tudo no universo é interdependente;

B.      O sobrenatural não existe, pois tudo no universo está subordinado às leis naturais;

C.      O universo é o corpo de um único mecanismo, pois tudo nele é complementar e interdependente.

 Grosso modo, os fatos demonstram que o universo é uma entidade natural inteiramente unificada. Portanto, os cientistas, deístas e teístas estão parcialmente certos e errados simultaneamente. Esqueça a gritaria e demonstração de força deles, pois toda verdade precisa ser constatada. Obviamente, esta conclusão torna mais difícil sair do impasse, pois requer uma explicação que respeite as leis e a complementaridade natural ao mesmo tempo. Esta explicação poderia melindrar aos cientistas, deístas e teístas, pois ela impossibilitaria o misticismo e o casuísmo ao mesmo tempo. Quem tiver a mente aberta e não se importar com isso deveria ler o artigo “Uma visão surpreendente do universo”. Ele introduz uma explicação que tem todas as qualidades acima. Lembre-se a razão nem sempre está com quem alardeia.