"Sem reflexão não há evolução."

Jairo Alves

@jairobigbrain

jairo2k@gmail.com

A possibilidade, o evento e o fato

11/02/2014 21:01

A possibilidade, o evento e o fato somente fazem sentido conjuntamente. O fato precisa de um evento e de uma possibilidade para se concretizar. A possibilidade sem o evento jamais se torna um fato. O evento depende de uma possibilidade para gerar o fato. Em outras palavras, a possibilidade, o evento e o fato são complementares.

 

Toda possibilidade é pré-requisito para a ocorrência de um evento e a concretização do seu respectivo fato. A sua análise pode revelar muita coisa. A palavra “possibilidade” é utilizada em contextos muito variados. Em todos eles para designar a qualidade de ser possível, isto é, uma possibilidade existencial. Esta redundância final serve para enfatizar que toda possibilidade refere-se obrigatoriamente a uma existência.

 

Todos os verbos estão correlacionados com possibilidades, eventos e fatos, mas “poder” e “conseguir” merecem destaque. Ambos indicam a qualificação, capacidade ou preparo para tornar algo possível, factível ou existente. Em outras palavras, os verbos “poder” e “conseguir” designam a capacidade de gerar eventos e fatos.

 

A grande maioria das possibilidades que nós conhecemos destina-se à geração dos fatos naturais. É importante lembrar que até os eventos naturais necessitam de possibilidades para tornarem-se fatos. Em outras palavras, as possibilidades naturais são imprescindíveis para geração de qualquer tipo de fato.

 

As possibilidades são imprescindíveis para as existências das ciências, pois a finalidade delas é descobrir as relações entre possibilidades e fatos. Em outras palavras, a relação entre possibilidade e fato é o que torna as ciências factíveis. A ciência que calcula a probabilidade de ocorrência de fatos com base na diversidade de possibilidades chama-se Estatística.

 

As possibilidades somente se tornam fatos sob condições específicas. Em outras palavras, o fato somente se concretiza quando as condições que o suportam são plenamente satisfeitas. No meio científico, estas condições são chamadas de variáveis. As variáveis naturais são responsáveis pela criação, manutenção e evolução de absolutamente tudo no universo. Portanto, as ciências não fazem outra coisa senão formular e testar hipóteses que relacionam as variáveis de possibilidades naturais.

 

Grande parte dos cientistas acredita que a existência das possibilidades naturais independe de qualquer outra coisa. Em outras palavras, eles veem o universo como uma máquina gigantesca e nada mais. Eles acreditam que essa máquina é capaz de criar qualquer coisa dentro de si, inclusive a vida. A única máquina que seria capaz de atender a múltiplas possibilidades é o computador. Entretanto, nenhum deles poderia conceber, manter e evoluir a vida, pois falta-lhes uma variável vital. Esta variável não pode ser produzida em laboratório, pois ela seria o agente da criação e não um produto como tudo mais.

 

Encontrar uma variável que seja capaz de suportar possibilidades e gerar os eventos que produzem os fatos naturais é muito difícil. Isto requer um conhecimento da engenharia da natureza que ciência ou religião alguma conseguiu provir até agora. Entretanto, já existe um estudo independente que chegou a resultados impressionantes. Ele gerou uma obra que demonstra passo a passo, de forma lógica e amparada em evidências inquestionáveis como uma variável natural faz para construir todo o universo do micro ao macrocosmo, inclusive aos seres vivos. Isto somente foi possível porque a maneira de pensar foi incomum. Parafraseando SchopenhauerA tarefa não é tanto ver o que ninguém viu ainda, mas pensar o que ninguém pensou sobre algo que todos vêem. Para saber mais sobre “A Teoria do Big Brain” leia também “Uma visão surpreendente do universo.”.